Valor do melão apresenta pouca valorização

Mesmo com preços estáveis, as cotações do gália caíram significativamente no atacado nesta semana (19 a 23/03). A razão pode estar na qualidade inferior observada para esta variedade

Moacir Neto

O valor do quilo do melão amarelo, pago ao produtor, não subiu muito no Vale do São Francisco. Entre os dias 22 de fevereiro e 16 de março, foi de 93 centavos a R$ 1. No dia 9 último, foi cotado a 98 centavos. Mesmo com preços estáveis, as cotações do gália caíram significativamente no atacado nesta semana (19 a 23/03). A razão pode estar na qualidade inferior observada para esta variedade. Dentre os fatores, a maior umidade nas praças produtoras foi o principal motivo, o que limitou a comercialização. Além disso, a demanda enfraquecida nos últimos dias prejudicou as vendas da fruta.

O resultado também foi influenciado, segundo analistas, pelo elevado estoque na Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) – em decorrência das sobras de semanas anteriores. O gália foi comercializado por R$ 24,33 a caixa de 10 quilos, valor 15% inferior frente à semana passada. Já o amarelo tipo 6 e 7 foi vendido por R$ 24,67 a caixa de 13 quilos, valor similar em mesma comparação. A expectativa é que o volume de melão continue a diminuir nas próximas semanas, devem ocorrer bons patamares de preço, caso haja uma retomada da procura.

Em tal cenário, a temporada 2017/18 de melão do Rio Grande do Norte/Ceará deve terminar ainda neste mês, em paralelo aos últimos embarques da temporada, de acordo com informações do Hortifruti/Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/USP). Com isso, o período de entressafra pode ter início nos próximos dias, prolongando-se até julho. Nos últimos anos, produtores cultivaram apenas o melão amarelo (e em uma parte pequena da área), visto que essa é a variedade com maior demanda no mercado doméstico.

Portal Revista Safra, com informações do Cepea/USP

Publicidade

Publicidade