Publicidade

Agricultura

Trecho Palmas-Anápolis da Norte-Sul será entregue em fevereiro de 2014, diz diretor de Operações da Valec

Segundo Bento José de Lima, em Goiás, 94% da obra está concluída

reunião Norte-Sul Fieg - Mendel Cortizo Faeg

Segundo Bento José de Lima, em Goiás, 94% da obra está concluída

O diretor de Operações da Valec, Bento José de Lima, anunciou a entrega do trecho Palmas-Anápolis da Ferrovia Norte-Sul para fevereiro de 2014. Segundo ele, em Goiás, 94% da obra está concluída. As informações foram repassadas por Lima durante reunião realizada na sexta-feira (19), na sede da Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg), sobre o andamento da obra da ferrovia.

Segundo o diretor, a exigência de acelerar o processo foi da presidência da República e dos Ministérios de Transporte e Planejamento. Iniciada há quase 30 anos, a ferrovia tinha como penúltima meta ser entregue no ano de 2010. Em todo o País, 38% dos trechos já foram executados.

O vice-presidente institucional da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), Bartolomeu Braz, que participou da reunião, afirma que a conclusão da Norte-Sul é fundamental para aumentar a competitividade e acelerar o crescimento do setor agropecuário. “A otimização esperada é de 20 a 30% de aumento imediato. Nossa produção e economia estão sendo prejudicadas por terem como principal transporte, o rodoviário. É triste saber, por exemplo, que estádios são construídos de forma tão rápida e que nossa ferrovia espera há mais de 30 anos. A importância da agropecuária do País é indiscutível e é com este peso que governos federal e estadual precisam olhar para a causa”, disse.

A reunião discutiu ainda a possibilidade de incluir no projeto inicial um terminal no município de Goianira. Com localização na Região Metropolitana, o local serviria como complemento para o modal de Anápolis. Bento pediu que seja feito um relatório de viabilidade e necessidade e prometeu esforço na construção deste módulo.

“As regiões Sul e Sudeste estão amplamente ocupadas por produtores porque eles já acreditavam na ferrovia. Sabemos que a logística do Brasil impacta nos preços de alimentos do mundo inteiro. Temos grande potencial, mas nosso custo de produção é muito alto e está travado. Acreditamos que junto com a ferrovia muitas melhorias virão em complemento”, afirmou Bartolomeu.

Tráfego de pessoas

Lima, da Valec, ressaltou ainda que será aberto o uso de rotas por empresas que desejem transportar pessoas. Poderá ser comprado o trecho inteiro ou pequenas rotas, sem limite de empresas. “No projeto inicial tínhamos uma possibilidade de um trem de carga ter um espaço destinado ao transporte de pessoas, mas isso é muito complicado. Neste modelo seguido agora, poderemos ter várias empresas utilizando as mesmas linhas, e, portanto, aumentando a competitividade. Na Alemanha, por exemplo, são registradas mais de 350 operadoras independentes”, concluiu.

Portal Revista Safra com informações do Sistema Faeg

Foto: Mendel Cortizo

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>