Publicidade

Pecuária

Rede Leite contribui para o fortalecimento da agricultura familiar no Rio Grande do Sul

O desenvolvimento do programa é realizado com pesquisadores e técnicos acompanhando o processo produtivo e identificando, em conjunto com os produtores, os principais problemas dos sistemas de produção

rede Leite - Cleuza Brutti- Emater

O desenvolvimento do programa é realizado com pesquisadores e técnicos acompanhando o processo produtivo e identificando, em conjunto com os produtores, os principais problemas dos sistemas de produção


Fernando Goss

Com a proposta de aliar pesquisa e desenvolvimento num mesmo programa, a Rede Leite vem contribuindo para o fortalecimento e a viabilidade da agricultura familiar na região Noroeste do Rio Grande do Sul. Iniciado em 2004, atualmente a rede conta com a participação de instituições como a Empresa Brasileira de pesquisa Agropecuária (Embrapa), unidades Pecuária Sul e Clima Temperado, Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural/ Associação Sulina de Crédito e Assistência Rural( Emater/Ascar), Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí), Associação Gaúcha de Empreendimentos Lácteos, Instituto Federal Farroupilha, Fundação de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Sul  (Fepagro/RS), A Cooperativa Agropecuária dos Agricultores Familiares de Tenente Portela  (Cooperfamiliar) e Universidade de Cruz Alta (Unicruz), trabalhando com diferentes temas relacionados aos sistemas de produção da região.

O objetivo da Rede Leite é contribuir para o fortalecimento e a sustentabilidade da agricultura familiar a partir de conhecimentos gerados pela integração de pesquisadores, extensionistas e agricultores. A metodologia adotada para o programa começa com pesquisadores e técnicos acompanhando o processo produtivo e identificando, em conjunto com os produtores, os principais problemas dos sistemas de produção.

Para o desenvolvimento dos trabalhos foram criadas Unidades de Observação (UOs) em propriedades da região. Cerca de sessenta UOs instaladas são acompanhadas por técnicos da Emater, onde são desenvolvidas pesquisas e sugeridas mudanças no processo de produção. Segundo o pesquisador da Embrapa Pecuária Sul, Gustavo Martins da Silva, apesar de as ações estarem sendo desenvolvidas nas propriedades onde estão instaladas as UOs, a ideia é disseminar as experiências bem-sucedidas e os resultados das pesquisas para outras famílias, contribuindo para o desenvolvimento de toda a cadeia leiteira. “Outro ponto importante é a capacitação dos extensionistas que estão diretamente ligados ao projeto e que vão ser multiplicadores para todos os produtores da região”, ressalta o pesquisador.

Embrapa Pecuária Sul

Foto: Cleuza Brutti/Emater

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>