Arquivo/Vandréia de Paula

Preço ao produtor de leite sobe 3,8%

Além da menor receita, os custos de produção têm se elevado desde outubro de 2017, em função da valorização do milho. Os preços do concentrado 22% de proteína bruta, principal insumo da atividade leiteira, registraram alta de 3,41% de outubro de 2017 a janeiro de 2018

Depois de consecutivas quedas desde maio de 2017, o preço do leite recebido por produtores subiu em fevereiro. De acordo com pesquisas do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/Universidade de São Paulo (Cepea/Esalq/USP), a “média Brasil” líquida (preços sem frete e impostos da Bahia, Goiás, Minas, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul) de fevereiro foi de R$ 1,024 por litro, aumento de 3,8% (ou de 3 centavos por litro) frente a janeiro. A valorização do leite no campo esteve atrelada à redução na oferta e ao leve aquecimento da demanda.

A captação dos laticínios e cooperativas amostrados pelo Cepea/USP recuou em todos os estados pesquisados. De dezembro de 2017 para janeiro de 2018, houve queda de 2,17% no Índice de Captação de Leite do Cepea (Icap-L) na “média Brasil”. Esse resultado se deve aos baixos preços praticados nos últimos meses, que tem desestimulado produtores a investir na atividade – cenário observado em todo o Brasil, mas especialmente no Sul, onde o leite foi negociado abaixo de R$ 1 por litro.

Além da menor receita, os custos de produção têm se elevado desde outubro de 2017, em função da valorização do milho. Os preços do concentrado 22% de proteína bruta, principal insumo da atividade leiteira, registraram alta de 3,41% de outubro de 2017 a janeiro de 2018, de acordo com levantamento do Cepea/USP. Outro fator que influenciou a queda da captação em fevereiro foi a estiagem em algumas regiões, que prejudicou a qualidade das pastagens e, consequentemente, a produção. Alguns colaboradores consultados pelo Cepea consideraram, inclusive, um adiantamento da entressafra neste ano, especialmente no Sul do País.

A demanda, por sua vez, dá sinais de reação. Mesmo que na percepção dos agentes o consumo ainda esteja enfraquecido, o mercado tem absorvido as consecutivas altas dos preços dos derivados. Segundo pesquisas diárias do Cepea/USP, o leite UHT negociado entre indústrias e o atacado do estado de São Paulo tem se valorizado continuamente desde a segunda quinzena de janeiro – de lá para cá, a alta acumulada é de 15,7%.

Inicialmente, o aumento das cotações foi justificado pelas empresas como uma tentativa em recuperar a margem, espremida desde o ano passado. No entanto, a manutenção do movimento de valorização, a diminuição das promoções e a menor amplitude de preços sinalizam um reaquecimento da demanda, favorecida pela maior estabilidade econômica.

Cepea/USP

Publicidade

Publicidade