Divulgação/Abapa

Na Bahia, produtores e associações se unem em projeto ambiental

Inicialmente, cerca de R$ 67 mil foram investidos para apoiar na recuperação de 16 nascentes em 11 comunidades rurais de São Desidério, prejudicadas, sobretudo, pelo pisoteio do gado e assoreamento

Moacir Neto

De início, foram 10 mil mudas. Mas o trabalho de preservação de nascentes na região de São Desidério (BA), até mesmo pelo impulso e apoios obtidos, deve avançar longas distâncias. A iniciativa, que conta com apoio de produtores e associações voltadas ao segmento, resultada da preocupação em manter as nascentes, hoje em franca degradação. E o trabalho de capacitação dos técnicos já foi iniciado na última quarta-feira, 31, com vistas a bons resultados.

“O que mais nos preocupa é o desmatamento, o pisoteio do gado e também a mata ciliar que acaba desaparecendo. Estamos buscando mais parceiros para a iniciativa, que tem tudo para obter excelentes resultados”, avalia o presidente da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), Júlio Cezar Busato, que conversou por telefone com a reportagem da Safra. O projeto de recuperação de nascentes em São Desidério, desenvolvido pelos agricultores baianos em parceria com o município é pioneiro. Na parte prática do curso, que termina hoje, 2, será executado o trabalho de recuperação e proteção de uma nascente que fica na localidade de Jataí, a 24 quilômetros da sede de São Desidério.

A Abapa e a Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba) integram o projeto ao investirem, inicialmente, cerca de R$ 67 mil para apoiar na recuperação de 16 nascentes em 11 comunidades rurais de São Desidério, prejudicadas, sobretudo, pelo pisoteio do gado e assoreamento. Com a experiência do trabalho prático, o brigadista Wlyses Moreira acredita que o conhecimento adquirido no curso será importante para que sejam utilizadas técnicas que possam efetivamente recuperar e proteger as nascentes. “Ajudei a colocar as cercas e no plantio de mudas em outras duas áreas que precisam de proteção”, afirma, por meio de assessoria.

Já a engenheira ambiental do município, Fernanda Gomes, explica que é realizado o trabalho de educação ambiental como forma de garantir o apoio e a adesão de quem mora nestas localidades. “Com este treinamento, tenho certeza que vamos aprender ainda mais as estratégias para identificação e conservação das nossas nascentes”. Em um diagnóstico executado pelo município, foram levantadas que as principais causas de degradação das nascentes são o pisoteio do gado e o assoreamento. Para o secretário de meio ambiente de São Desidério, Joacy Carvalho, é fundamental o apoio dos agricultores para que o município consiga expandir o projeto para todo o município. “Com o apoio dos agricultores, faremos, em 20 dias, o que não conseguimos em 20 anos. Estamos, todos juntos, recuperando vidas, pois água é vida. Mais do que preocupados, vamos trabalhar na prática com a preservação ambiental e inserir a sustentabilidade em nosso município”.

Ao representar a Abapa, o diretor executivo Lidervan Morais, reafirma que as entidades de agricultores estão abertas para o desenvolvimento de projetos da área ambiental que façam a diferença, a exemplo do programa executado pelo município de São Desidério. A parceria com os agricultores prevê a recuperação de Áreas de Preservação Permanente (APP’s), em mais de 80 hectares com um perímetro de 17,8 mil metros que abrange as nascentes localizadas nas comunidades de Alegre da Pontezinha, Cabeceira do Salto, Alegre, Conceição de Baixo, Marias, Boqueirão do Palmeiral, Estiva, Canabravão, João Rodrigues, Baixa Bonita e Pindaíba, conforme cronograma previamente estabelecido.

Portal Revista Safra, com informações da Abapa

Publicidade

Publicidade