Mato Grosso realiza simpósio para discutir pecuária

Temas como nutrição, produção, reprodução, meio ambiente, sustentabilidade, mercado da carne, gestão da produção e inovação tecnológica serão debatidos por palestrantes e participantes

Moacir Rodrigues

O aumento de 10,9% do Produto Interno Bruto (PIB) Agropecuário para este ano já foi anunciado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Ano passado a participação foi modesta, de 4,7%, mas agora o segmento exibe um alto nível de encadeamento com outros setores produtivos, o que ajuda a puxar para cima os números. O indicador Ipea de PIB Agropecuário apontou uma alta de 13,5% acumulada no ano, até o primeiro semestre, sendo que a lavoura cresceu 19,2% e a pecuária teve reação negativa de 0,8%. Outra notícia é que o governo de Myanmar já comunicou o Brasil sobre a abertura do seu mercado para bois vivos. Com isso, a expectativa de pecuaristas brasileiros é comercializar nada menos que 20 mil cabeças, anualmente, ao país asiático.

Neste cenário, o Estado de Mato Grosso sedia até sábado, 26, o 4º Simpósio Mato-Grossense de Bovinocultura de Corte (Simbov-MT), iniciativa que conta com a participação de docentes, acadêmicos e produtores, além da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat). O Simbov-MT é realizado pelo Setor de Bovinocultura de Corte da Faculdade de Agronomia, Medicina Veterinária e Zootecnia (Famevz) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). O evento ocorre na capital, Cuiabá.

Temas como nutrição, produção, reprodução, meio ambiente, sustentabilidade, mercado da carne, gestão da produção e inovação tecnológica serão debatidos por palestrantes e participantes. O maior simpósio da bovinocultura do Estado reúne professores, pesquisadores, estudantes, técnicos, profissionais, empreendedores, empresas, produtores rurais e órgãos regulamentadores do setor do agronegócio.

O diretor-técnico da Acrimat, Francisco de Sales Manzi, explica que a entidade é parceira de eventos que proponham discutir e aprimorar os sistemas produtivos da pecuária de corte mato-grossense. “A tecnificação e qualificação são caminhos sem volta para o produtor que não quer somente melhorar o desempenho na atividade, mas garantir a permanência no setor. Para isso, é preciso que todos os agentes da cadeia produtiva se capacitem para fornecer produtos cada vez melhores para o um mercado competitivo”, afirma.

Portal Revista Safra, com informações da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat)

Publicidade

Publicidade