Divulgação/Pec Press® – Imprensa Agropecuária

Fazenda em Goiás amplia premiação mínima para animais de genética do Grupo Adir

De olho na tendência do mercado consumidor em escolher cortes mais nobres, a Fazenda Conforto, um dos maiores confinamentos do Brasil, com capacidade estática para fechar 120 mil animais ao ano, formulou parcerias para melhorar a qualidade de carne e carcaça dos produtos fornecidos à indústria

Moacir Neto

Goiás possui o maior rebanho confinado do País e a expectativa, no ano passado, era de crescimento no número de animais na ordem de 10% no comparativo com 2016, quando 780 mil cabeças foram terminadas no cocho. Os números, ainda não atualizados, foram apresentados em estimativa feita pela Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg). Agora, uma fazenda localizada no estado realiza outro feito, o de ampliar de 20% para 25% a premiação mínima para animais que apresentem genética Adir, do Grupo Adir.

Isso em um cenário altamente promissor, já que o Brasil confina, em média, 4 milhões de cabeças anualmente, segundo informações da Associação Brasileira de Pecuária Intensiva (Assocon). De olho na tendência do mercado consumidor em escolher cortes mais nobres, a Fazenda Conforto, um dos maiores confinamentos do Brasil, com capacidade estática para fechar 120 mil animais ao ano, formulou parcerias para melhorar a qualidade de carne e carcaça dos produtos fornecidos à indústria.

Desde fevereiro do ano passado, a propriedade localizada em Nova Crixás (GO) passou a oferecer uma premiação de 20% aos fornecedores de bezerros com genética Adir em sua composição sanguínea. Após 11 meses de parceria e 70 mil doses de sêmen Adir utilizadas na produção de bezerros para o programa, a propriedade decidiu ampliar, espontaneamente, a bonificação mínima para 25% sobre a cotação do boi gordo no indicador do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/Universidade de São Paulo (Cepea/Esalq/USP). “Não existe volta, o caminho é a qualidade genética. E isso a genética Adir tem de sobra”, afirma Cláudio Braga, diretor da Fazenda Conforto.

De acordo com o diretor do Grupo Adir, Paulo Leonel, que possui propriedades também em Nova Crixás e Ribeirão Preto (SP),  a Fazenda Conforto tomou essa decisão devido à qualidade superior apresentada pelos bezerros Adir, que ajudaram a melhorar a rentabilidade do negócio. Com quase 60 anos de seleção na raça Nelore, duas das principais marcas do Grupo Adir são a padronização e a funcionalidade do rebanho Nelore criado a pasto, o que resulta em animais abatidos em idade jovem, com o peso, o acabamento e o rendimento de carcaça desejados pela indústria.

Apesar da alta temperatura e a criação em sistema extensivo em Nova Crixás, os bezerros Adir desmamam com peso superior a 230 quilos. “Os animais que não conseguem viver bem e a pasto são descartados”, resume. Quando submetidos ao regime de confinamento os ganhos zootécnicos tornam-se exponenciais. O Grupo Adir realiza um trabalho pioneiro no Brasil para provar touros por meio de abates técnicos, projeto iniciado em outubro de 2014 e coordenado pelo professor doutor Sérgio Pflanzer, chefe da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Universidade de Campinas (Unicamp), em Campinas (SP). Para saber mais sobre a parceria com a Fazenda Conforto acesse www.adirleonel.com.br.

Portal Revista Safra, com informações da Pec Press® – Imprensa Agropecuária e Faeg

Publicidade

Publicidade