Texto Comunicação Corporativa/Divulgação

Empresas da Noruega avaliam investimentos em piscicultura no Brasil

“A Noruega é um país-referência em aquacultura e tem muito a contribuir com a piscicultura brasileira, sobretudo em termos de tecnologias no sistema de produção e logística”, explica o presidente-executivo da Peixe BR, Francisco Medeiros

Tecnologia, profissionalização e aporte de novas empresas compõem o tripé que faz avançar, dia a dia, a aquicultura brasileira. Em dez anos e com base em dados de 2016, o setor experimentou crescimento da ordem de 123% entre 2005 e 2015, passando de 257 mil para 574 mil toneladas de pescado nesse período. Os números estão no estudo realizado pelos pesquisadores Manoel Pedroza, Andrea Muñoz, Roberto Flores e Eric Routledge, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Pesca e Aquicultura/TO). Agora, quatro empresas da cadeia de produção e uma consultoria estratégica da Noruega visitaram projetos de Piscicultura do Brasil no início de junho para avaliar possíveis investimentos e/ou parcerias no País.

O trabalho da Embrapa, apresentado na conferência de 2016 do International Institute of Fisheries Economics and Trade (Iifet), em Aberdeen (Escócia), destaca porque o setor, dedicado à produção de seres aquáticos como peixes e crustáceos, costumava ser caracterizado no Brasil por empreendimentos de pequeno porte, sistemas extensivos de produção e baixo nível tecnológico, com exceção da produção de camarões no Nordeste, a carcinicultura.

Já a iniciativa dos noruegueses é desdobramento do fórum Noruega-Brasil realizado em novembro de 2017 pela Associação Brasileira da Piscicultura (Peixe BR), Consulado da Noruega no Brasil e Innovation Norway, instituição estatal de fomento de negócios internacionais. “A Noruega é um país-referência em aquacultura e tem muito a contribuir com a piscicultura brasileira, sobretudo em termos de tecnologias no sistema de produção e logística”, explica o presidente-executivo da Peixe BR, Francisco Medeiros, que acompanhou as visitas (foto) ao Grupo Âmbar Amaral (Santa Fé do Sul/SP) e às empresas Aquafeed (Aparecida do Taboado/MS), Geneseas (Aparecida do Taboado/MS) e Bom Futuro (Cuiabá/MT).

Participaram da visita técnica a empresas brasileiras a Amof, especializada em processamento de rações para peixes, a Bjordal, indústria de equipamentos para Piscicultura, a Stranda Prolog, de soluções logísticas, a Pharmaq, de produtos veterinários e parte da Zoetis, e a consultoria estratégica Segel.

“Os noruegueses gostaram muito do que viram. Eles confiam no potencial de crescimento da piscicultura brasileira em termos de volume e de produtividade. Dessa forma, analisam investimentos e parcerias no País. Além disso, eles vivenciaram todos os desafios que nós estamos enfrentando e podem nos apontar caminhos mais curtos para o desenvolvimento”, entende o vice-presidente do Conselho de Administração da Peixe BR, Breno Davis, CEO da Geneseas.

Para o executivo Eduardo Amorim, membro do Conselho de Administração da Peixe BR e diretor da Aquafeed, essa troca de informações é um ganho muito grande para a piscicultura brasileira. “É importante receber sugestões técnicas e conhecer de perto as diferentes realidades. Especialmente porque a atividade está em crescimento no nosso País e precisamos evoluir em tecnologia e eficiência.” Diretor do Grupo Âmbar Amaral, Ramon Amaral está otimista com a aproximação com um país líder em aquacultura e já se programou para visitar a feira Nurfishing, em agosto, na Noruega. “Essa troca de conhecimentos é extremamente relevante para a piscicultura brasileira”, diz.

O próximo passo da aproximação dos dois países é a ida de uma missão técnica da Peixe BR e empresas associadas à Noruega, com apoio da Innovation Norway, para conhecer empresas de tecnologia, logística e produção e participar da feira Nurfishing, de 19 a 23 de agosto de 2018. Também está programado para novembro um novo fórum entre Brasil e Noruega voltado para negócios.

Portal Revista Safra, com informações da Texto Comunicação Corporativa e Embrapa Pesca e Aquicultura

Publicidade

Publicidade