Embarques de suínos recuam e limitam reação dos preços

No entanto, os valores domésticos, tanto do suíno vivo quanto da carne, seguem praticamente estáveis

As exportações de carne suína caíram em outubro pelo segundo mês consecutivo. Parte dos colaboradores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) esperava que um possível aumento no volume embarcado pudesse ajudar a enxugar a oferta doméstica e, consequentemente, estimular uma reação nos preços internos. No entanto, os valores domésticos, tanto do suíno vivo quanto da carne, seguem praticamente estáveis.

Segundo colaboradores do Cepea, a oferta de animais segue equilibrada em relação à demanda da indústria, que está tímida nas negociações. De 1 a 8 de novembro, o preço do suíno vivo posto no frigorífico permaneceu praticamente estável (+0,2%) na região de SP-5 (Bragança Paulista, Campinas, Piracicaba, São Paulo e Sorocaba), a R$ 4,06/kg na quarta-feira, 8. Quanto à carne, na Grande São Paulo, a carcaça especial se valorizou ligeiro 0,5% em sete dias, a R$ 6,32/quilo na quarta. O valor da carcaça comum subiu 0,9% no mesmo período, para R$ 5,87/quilo.

Cepea

Publicidade

Publicidade