Divulgação

Continua o trabalho de recuperação de nascentes de rios do oeste baiano

Para o secretário de meio ambiente de Jaborandi, Dalmir Alves das Neves, a capacitação e a parceria da Abapa e Aiba será o diferencial para que a ação se mantenha e entre como uma política do município para a preservação do meio ambiente

Conhecida pelos altos índices em produtividade agrícola, a região oeste da Bahia desponta no cenário do agronegócio. Por lá, produtores estão cada vez mais animados com os resultados, sobretudo devido à aplicação da alta tecnologia. Nesse contexto, a preservação ambiental é unânime entre quem produz e sabe que manter o bioma é fundamental para continuar na atividade. Prova disso é que, no mês passado, foram recuperadas e protegidas as nascentes de rios dos municípios de Cocos, Formosa do Rio Preto e Jaborandi.

A ação consistiu em uma capacitação promovida pelos produtores rurais baianos, por meio da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) e da Associação dos Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), que culminou com o diagnóstico, proteção e recuperação das nascentes, realizada em parceria com as prefeituras. Os agricultores vão investir, por meio de recursos do Instituto Brasileiro do Algodão (IBA), R$ 500 mil ao longo deste ano, para atender os municípios do oeste da Bahia.

“Já vemos a água jorrar e isso renova nossas esperanças de termos uma fonte de água permanente para o nosso dia a dia”, confessou um dos moradores, mais conhecido como Doutor do Arroz, da localidade do Arroz de Cima (Formosa do Rio Preto). O curso na localidade foi realizado entre os dias 11 e 13. Para o morador Renê Rodrigues, da localidade de Jaborandizinho, que fica próximo à nascente recuperada em Jaborandi, esta ação de proteger as nascentes deveria acontecer em outros lugares. “O que eu gostaria era que todo mundo se conscientizasse e fizesse o mesmo para proteger as nascentes”, afirma ele, que participou do curso no último sábado, 30.

Em Cocos, onde o curso foi realizado entre os dias 26 e 28, o secretário de meio ambiente, Agenor Neto, explica que foi recuperada uma nascente do rio São José, mais conhecido como Rio de Cocos. “A nascente fica a 2 quilômetros da cidade, o riozinho é uma riqueza, pois muita gente vive das hortas que são plantadas nas suas margens. O curso foi excelente, veio em um momento muito propício nesse período de seca”, afirma.

Para o secretário de meio ambiente de Jaborandi, Dalmir Alves das Neves, a capacitação e a parceria da Abapa e Aiba será o diferencial para que a ação se mantenha e entre como uma política do município para a preservação do meio ambiente. “Esta união entre os agricultores e o poder público é fundamental para ajudar a impulsionar o projeto.”

Presidente da Abapa, Júlio Cézar Busato diz que, no oeste da Bahia, não há motivo para diferenciar a produção agrícola do meio ambiente. “Os produtores fazem a sua parte e apoiam em projetos como a recuperação de nascentes e respeitam as áreas de reserva legal e preservação permanente.” Ele destaca que um estudo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) comprova que os agricultores são quem mais preservam o meio ambiente, e “mostra que 64% do cerrado da oeste da Bahia encontra-se preservado, sendo a maioria em área dos próprios produtores”, aponta.

Além de Jaborandi, a parceria entre os agricultores baianos, por meio da Aiba e Abapa, e as prefeituras, também acontece em Barreiras, São Desidério e Wanderley, onde já foram protegidas e revitalizadas nascentes de rios desde o início de fevereiro deste ano.

Portal Revista Safra, com informações de agência

Publicidade

Publicidade