Arquivo/Agência Brasil

BNDES abre crédito para produtor que perdeu animais na greve

Segundo o presidente do banco, Dyogo Oliveira, as taxas de juros e as condições de pagamento serão facilitadas. A linha de crédito foi anunciada pelo presidente do BNDES após reunião com o presidente Michel Temer

Produtores de frango e porcos que foram afetados pela greve dos caminhoneiros poderão financiar recursos para capital de giro no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A instituição disponibilizou R$ 1,5 bilhão, de linha de crédito, para repor estoques após a perda de animais durante a paralisação que ocorreu no fim de maio.

Segundo o presidente do banco, Dyogo Oliveira, as taxas de juros e as condições de pagamento serão facilitadas. A linha de crédito foi anunciada pelo presidente do BNDES após reunião com o presidente Michel Temer. Outra medida acertada foi a liberação de uma linha de crédito para a instalação de energia solar em residências e empresas.

Quem pegar o financiamento terá até 12 anos para pagar, e os juros são de 4% ao ano. De acordo com Oliveira, a finalidade da medida é gerar energia sustentável e reduzir as despesas com a conta de luz. No encontro com Temer, o presidente do BNDES ainda apresentou o projeto de modernização do banco. A partir de agora, o foco da instituição será a oferta de mais recursos para micro e pequenas empresas e para a área de infraestrutura.

Inflação – O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), divulgado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), registrou 1,01% em junho. Em maio, o índice ficou em 0,19%. A alta da inflação na capital paulista é resultado da greve dos caminhoneiros e se refletiu principalmente nos setores de alimentos e transporte na cidade de São Paulo.

O levantamento aponta que os preços no grupo de alimentação aumentaram 3,14 % em junho, diante de 0,62% em maio, sendo a categoria com o maior impacto no crescimento dos preços ao consumidor em São Paulo. O setor de transporte subiu 1,01 % em junho, sobre 0,59 % em maio.

O IPC-Fipe verifica as variações do custo de vida das famílias paulistanas com renda entre 1 e 10 salários mínimos e é um dos mais antigos indicadores econômicos do Brasil, criado em 1939.

 

Agência Brasil

Publicidade

Publicidade