Vandréia de Paula/Arquivo

Até abril, preços do leite em Goiás tiveram recuperação de apenas 6%

Entre agosto de 2016 e janeiro de 2017 houve queda de mais de 25% no preço do produto

Moacir Rodrigues

Considerando os dois primeiros meses deste ano, ficou mais caro produzir leite no País. Os gastos com mão de obra na pecuária leiteira registraram elevação de 3,6%, com base na “média Brasil”. A referência engloba os Estados de Minas Gerais, São Paulo, Goiás, Bahia (no Matopiba), Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. É o que revela pesquisa do Projeto Campo Futuro, uma parceria do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” da Universidade de São Paulo (Esalq/USP), com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Gerente de Estudos Técnicos e Econômicos da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), Edson Novaes diz que a entidade não dispõe de informações oficiais sobre a produção de leite em Goiás e no Brasil no primeiro trimestre deste ano. Mas, no comparativo de 2016 em relação a 2015, com os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), “observarmos que a produção de leite formal no Brasil em 2016 teve queda de 3,7% em relação a 2015. Em Goiás a produção caiu 5,6%”.

É possível notar, segundo ele, que, apesar dos indícios de recuperação da economia, a demanda por produtos lácteos ainda continua fraca impactando nos preços aos produtores. De janeiro a abril, tendo como base os dados do Cepea, os preços de leite em Goiás tiveram recuperação de apenas 6%, contra uma queda de agosto de 2016 a janeiro de 2017 de mais de 25%. “Esse fato pode ter impactado ainda em uma baixa oferta de leite no primeiro trimestre de 2017 em Goiás. Teremos que acompanhar o comportamento dos preços direcionados aos produtores no próximo período e verificar o impacto que terão no comportamento da produção”, diz.

Sobre os custos de produção, houve aumento com a mão de obra, atrelado ao reajuste no valor do salário mínimo. “Também tiveram redução dos custos com relação ao concentrado devido os preços menores praticados no milho e na soja.” Mas, em Goiás, diferentemente do praticado no Brasil, nos painéis de custos de produção realizados entre 8 e 12 de maio, em cinco municípios de Goiás – Piracanjuba, Itaberaí, Piranhas, Jatai e Caçu -, na maior parte dos painéis “tivemos uma redução da produção média nos municípios, onde em três dos cinco municípios houve aumentos”.

Portal Revista Safra com informações do Cepea/USP

Foto: Vandréia de Paula

Publicidade

Publicidade