Divulgação Comigo

Mais de R$ 2,5 bilhões em negócios

Na Tecnoshow Comigo deste ano, o volume é 47% maior do que o registrado no ano passado. Com número recorde de público e expositores, feira já tem data marcada para 2019

Se no ano passado a Tecnoshow Comigo movimentou R$ 1,7 bilhão em negócios e foi marcada pelo otimismo, na edição deste ano os números surpreenderam ainda mais. A 17ª edição da maior feira de tecnologia agrícola do Centro-Oeste registrou mais de R$ 2,5 bilhões em volume de negócios no período de 9 a 13. O número é recorde, se comparado às edições anteriores. Em 2016, foram R$ 1,3 bilhão. Mais de 106 mil pessoas visitaram o Centro Tecnológico Comigo (CTC), que neste ano contou com a presença de 550 expositores de diferentes segmentos. A Cooperativa Agroindustrial dos Produtores Rurais do Sudoeste Goiano (Comigo) já confirmou também a data da feira para 2019. Será entre os dias 8 e 12 de abril, em Rio Verde, no sudoeste goiano.

Presidente da Comigo, Antonio Chavaglia, durante entrevista coletiva nesta sexta-feira, 13, disse que este foi um ano promissor em todos os sentidos, tanto para os produtores rurais quanto para as empresas presentes na feira. “Os números de 2018 foram bastante expressivos e gratificantes, porque mostram o resultado do trabalho em equipe e a importância da união de esforços em prol de viabilizar o agronegócio. Pessoas de vários estados visitaram a feira e puderam perceber a integração que existe entre produtores, a Cooperativa e o público”, ressaltou.

Chavaglia disse ainda que houve desafios ao longo do último ano, econômicos e políticos. “Mas nós, produtores rurais, estamos acostumados a desafios e enxergamos 2018 com otimismo. Apesar de tudo o que estava acontecendo no País, trabalhamos para promover renda e sustentabilidade. Cada vez mais vamos continuar a produzir alimentos”, destacou.

Durante os cinco dias da feira, foram apresentadas tecnologias e novidades em máquinas, veículos e equipamentos agropecuários, insumos e resultados de pesquisas, além de demonstrações e lançamentos de novas variedades de cultivares, plots agrícolas em vários experimentos, apresentações, palestras com especialistas renomados e dinâmicas de animais. Também foram disponibilizadas linhas de crédito e financiamento voltados ao produtor rural, por meio de instituições financeiras, e atividades diversas pensadas para todos os envolvidos no agronegócio brasileiro.

Observando o impacto econômico da feira, o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico Sustentável de Rio Verde, Denimarcio Borges, disse que, no período da feira, a rede hoteleira no município e também das cidades vizinhas atingiu 100% de ocupação, além do aumento de 40% no movimento da BR-060, e crescimento de 6% de movimentação no maior shopping de Rio Verde.

“A feira tem um impacto muito importante no comércio de Rio Verde e permite que muitas pessoas venham conhecer a nossa cidade. O que é mais marcante para todos com quem tive a oportunidade de conversar é a organização da feira e isso mostra a capacidade do povo de Rio Verde, sobretudo da Comigo, naquilo que é capaz de fazer”, elogiou. O secretário finalizou ressaltando o potencial do evento para atração de investimentos. “Nós usamos a Tecnoshow hoje como cartão de visitas e usamos isso como abertura de portas das empresas para atrair novos investimentos para Rio Verde”, afirmou.

Palestras – Aproximadamente 5 mil pessoas buscaram conhecimento por meio de mais de cem palestras/dinâmicas realizadas nos cinco dias do evento nos auditórios 1 e 2 do CTC, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Casa da Embrapa), Sistema Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg/Senar), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-GO), Agência Goiana de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária (Emater), Universidade de Rio Verde (UniRV) e nos estandes de alguns expositores.

Com capacidade para 700 pessoas, o auditório 1 foi palco para importantes debates ligados ao agronegócio brasileiro. Entre os temas deste ano: Manejo nutricional de sistemas de produção; Agricultura Digital; Integração Lavoura Pecuária; Mercado, perspectivas e tendências da pecuária de corte para 2018; Para onde a pecuária brasileira está indo; Perspectivas e cenários para a safra brasileira 2017/2018; e Inovação que gera transformação no agronegócio.

Já nos outros espaços, os temas em destaque foram mais técnicos, desde fundamentos da piscicultura; cultivo de orquídeas; produção de silagem de milho; regularização ambiental; recuperação de nascentes; controle de nematoides; recuperação de pastagens; cultivo de amendoim; novas cultivares de banana; entre outros.

Novas tecnologias, informação, exposição de animais, dinâmicas, equipamentos que auxiliam no aumento de produtividade e opções de investimentos foram atrações da área de pecuária na Tecnoshow Comigo 2018. O público pôde acompanhar novidades de raças de bovinos, equídeos, ovinos, peixes, entre outros. Foram mais 1,5 mil participantes das dinâmicas e mil animais presentes, sendo que a maioria estava disponível para comercialização.

Pensar Valore – Depois de oito meses de muito trabalho para se adequarem às normas da Round Table Responsable Soy (RTRS), uma associação internacional de soja responsável, seis produtores de Rio Verde e região receberam, durante a feira, um certificado que atesta para o mercado a produção consciente do grão – econômica, social e ambientalmente falando. O reconhecimento marcou o final da primeira etapa do Programa de Evolução e Gestão Sócio Ambiental Responsável, o Pensar Valore, e serviu como ponto de partida para a disseminação de boas práticas agrícolas que contribuam para a sustentabilidade no setor agropecuário.

Sementes – A Comigo recebeu, durante a feira, o selo de excelência em tratamento de sementes, certificado pela Syngenta. De 54 parceiros que a Syngenta tem no Brasil, só cinco possuem essa certificação, incluindo a cooperativa goiana. Para a obtenção do selo foram analisados o cumprimento de cinco exigências: licenciamentos ambientais; saúde, segurança e meio ambiente; entrega de boletins de germinação e vigor para avaliação de qualidade; manutenção prévia de equipamentos; e a análise das amostras propriamente ditas, para monitoramento das doses nas sementes tratadas. A análise é feita no laboratório Seedcare Institute, em Holambra (SP). A Comigo é a primeira empresa do Estado de Goiás a receber o reconhecimento.

Portal Revista Safra, com informações da Comigo

Publicidade

Publicidade