Show Rural Coopavel registra público recorde

Na atual safra, o Paraná já conta com 108 casos de ferrugem asiática da soja, número expressivo e que preocupa bastante os produtores rurais da região

Moacir Neto

Mais de 61 mil pessoas visitaram o Show Rural Coopavel nesta terça-feira, 6. O público é recorde em 30 anos de realização da maior feira do agronegócio do Estado, aberta anualmente na cidade de Cascavel (PR). Safra esteve lá e acompanhou a movimentação e também alguns dos lançamentos. Mas uma notícia pegou produtores de surpresa. Na atual safra, o Paraná já conta com 108 casos de ferrugem asiática da soja, número expressivo e que preocupa bastante os sojicultores da região.

As informações são do Consórcio Antiferrugem. Com as condições climáticas altamente favoráveis para o desenvolvimento, a evolução da ferrugem está sendo rápida no Estado, assim como o aumento da severidade de danos nas lavouras.

Áreas que, inclusive, vinham sendo castigadas pelos efeitos climáticos. A chuva interferiu negativamente no ciclo de plantio e colheita, desanimando alguns produtores. Mas a boa notícia é que, além do manejo adequado, a biotecnologia incorporada às sementes de soja é umas das principais aliadas do produtor rural, sobretudo em ano com forte pressão da ferrugem.

O Brasil e países vizinhos que também sofrem com o problema, como o Paraguai, podem contar com cultivares de soja com a Tecnologia Inox, desenvolvida pela Tropical Melhoramento & Genética (TMG), empresa brasileira de melhoramento genético de soja e algodão. Com o gene de resistência à ferrugem presente nas variedades Inox, a segurança na lavoura é maior.

O produtor realiza as aplicações da mesma forma que faz em lavouras com cultivares suscetíveis à doença, mas a diferença é que aliando a tecnologia com o controle por meio dos fungicidas, as chances de obter resultados melhores aumentam significativamente.

“Todo ano é atípico e nessa safra as condições climáticas dificultaram o manejo correto com fungicidas, em razão do período mais chuvoso em janeiro. E é aí que entra a segurança da Tecnologia Inox, pois quando há atraso no controle químico, a genética mantém a sanidade da lavoura até o momento de dar continuidade ao manejo da doença, sem que a lavoura seja rapidamente tomada pela ferrugem”, explica, por meio de assessoria, o supervisor de Desenvolvimento de Mercado da TMG, Sérgio Luiz Marchi.

Portal Revista Safra, com informações da TMG e Show Rural Coopavel

Publicidade

Publicidade